5 mudanças para reduzir o impacto ambiental


"Zero Desperdício" é um movimento de estilo de vida que começou no início dos anos 2000, quando começámos a assumir a responsabilidade pessoal de evitar, reduzir e eliminar o desperdício das nossas casas e dos nossos hábitos. Se no inicio do movimento se falava da redução dos desperdícios, abrindo caminho a uma mentalidade mais consciente dos problemas ambientais, hoje fala-se especificamente de "zero desperdício".

Será isto alcançável? Gerar nenhum desperdício simplesmente não é uma tarefa possível, mas o termo ficou. No fundo, penso que desperdício zero significa diminuir nosso impacto por meio do consumo consciente e do desperdício causado. O objectivo é, portanto, reduzir e eliminar o desperdício, na medida do possível e praticável. 

 

Baixo impacto e eco-friendly


Eu prefiro o termo "baixo impacto" ou "eco-friendly". Qualquer um destes termos são palavras de ordem que podem servir para ligar interruptores de hábitos mais conscientes das escolhas que fazemos e as consequências que eles têm. Esses switches não precisam de ser imediatamente grandes e dramáticos, podem ser simples e pequenos mas vão igualmente beneficiar, tanto o planeta como nós próprios. Um hábito simples, como levar o seu próprio saco para o supermercado ou trocar os copos descartáveis ​​por um reutilizável, é um começo consciente para começar a praticar o estilo de vida "baixo impacto" ou "eco-friendly".

Algumas maneiras para começar a praticar um estilo de vida conscientemente mais sustentável


Comprar menos


Muitas vezes gastamos dinheiro em coisas que não precisamos, que ocupam espaço e que não duram. Sentimo-nos obrigados a comprar mais, através de anúncios que nos convencem de que precisamos dessas coisas para ser felizes. Esta cultura descartável está a destruir o planeta. A manufactura em massa cria itens que são projectados para serem produzidos, vendidos e descartados num ritmo extremamente rápido. Há muito desperdício produzido neste sistema do início ao fim, as consequências ambientais são catastróficas e estão drenar o nosso planeta dos seus recursos. Podemos reduzir drasticamente o nosso impacto simplesmente comprando menos e de forma consciente.

Seguindo os princípios de uma economia circular, comprado e trocando roupa ou objectos em segunda mão, aproveitando o que temos, dando  nova vida, consertando e reutilizando itens que já possuímos e redireccionando os nossos pertences para outros, são passos cruciais para começar a reduzir o impacto ambiental de cada um.


Comprar a granel


O ideal é planear com antecedência e fazer uma lista do que se precisa. Comprar avulso, ou a granel, pode parecer uma coisa "do antigamente", mas a verdade é que permite uma melhor e maior utilização dos produtos comprados. Ao comprar apenas a quantidade que vamos precisar, criamos menos desperdícios e muitas vezes gastamos menos dinheiro. Podemos também levar as nossas próprias embalagens de casa, evitando a poluição plástica e diminuindo um pouco a pegada ecológica. Há também muitas mercearias ou mercados, com produtos de agricultura biológica, para comprar produtos mais amigos do ambiente gerados em melhores condições melhores inclusive para a nossa saúde. Frutas e vegetais locais, sazonais e não embalados também tendem a ser mais baratos do que os importados. E comprar alimentos frescos e sazonais também significa ingredientes mais nutritivos com menos químicos potencialmente perigosos.


Plásticos


Sacos
Milhões de sacos de plástico são usadas em todo o mundo e  todos os anos cerca de 8 milhões de toneladas de plástico são despejados nos nossos oceanos. A poluição plástica tem um efeito altamente destrutivo na vida selvagem, no meio ambiente e na saúde das pessoas. Não há realmente nenhuma desculpa para continuarmos a usar sacos de plástico, quando é fácil mudar para uma opção mais sustentável e ecologicamente correta. As frutas e os legumes, por exemplo, são laváveis ​​e a sua maioria vem com a sua própria embalagem - compostável - projectada pela natureza. Noutros casos as embalagens plásticas podem, é claro, ajudar a manter a higiene de alguns alimentos e prolongar a sua vida nas prateleiras e compete à industria optar por soluções ecologicamente mais sustentáveis.

Podemos apostar a utilização de sacos reutilizáveis e ter sempre um par deles no carro ou  na mala. Reduzindo, assim, o uso dos plásticos, ajudando o ambiente, mas também a reduzir custos na compra de um novo saco cada vez que vamos às compras. Sacos de pano ou de rede, são óptimos para compras de ingredientes secos e são fáceis de levar para qualquer lugar.

Palhas de plástico
As palhas de plástico são terríveis (assim como os cotonetes), não só porque enchem os nossos oceanos e praias, acumulando-se em aterros e causando danos à vida selvagem, mas as palhas de plástico são em grande parte desnecessárias para a maioria das pessoas. Embora a acção para a proibição seja lenta, podemos, como consumidores, dizer "não", sempre que possível. Porque não mudar para uma palha de aço inoxidável? Palhas de aço inoxidável são feitas de material de qualidade alimentar,  podem ser lavados na máquina de lavar louça e ao contrário de bambu ou papel, são extremamente duráveis.


Copos e garrafas


Todos os anos, mais de milhões de copos descartáveis ​​ vão para o lixo em todo o mundo. Sejam de plástico ou papel, tudo sobre copos descartáveis ​​ é mau para o planeta e para a saúde. Os copos de plástico, são feitos de poliestireno, que é um composto tóxico. Vários estudos indicam que o estireno pode causar cancro quando presente em altas concentrações - uma vez em contacto com o calor, o plástico irá libertar substâncias tóxicas. Um único copo de plástico precisa de meio litro a 3 litros de água para ser produzido e demora, pelo menos, 150 anos para se decompor. Já uso uma caneca reutilizável para o chá e para o café e garrafas de vidro para a água e  em 2019 vou vencer a preguiça e acabar com pratos e copos descartáveis que esporadicamente possa usar em alguma festa.


Comer mais plantas


Eliminar, ou pelo menos reduzir,  a carne e os lacticínios na dieta é a maior coisa que podemos fazer para reduzir o seu impacto ambiental. A indústria de carne e lacticínios é incrivelmente destrutiva, produz enormes quantidades de emissões de gases causadores do efeito estufa e é responsável pelo desmantelamento, perda de biodiversidade e poluição da água. Uma dieta vegana produz o equivalente a 1,5 toneladas de emissões de CO2 por ano, enquanto uma dieta omnívora produz 2,5 toneladas. Além disso, há impactos na saúde de comer carne: o consumo de carne processada foi classificado como carcinogénico e a carne vermelha como provavelmente carcinogénica, enquanto a ingestão de qualquer carne pode causar resistência a antibióticos e uma miríade de problemas de saúde. Optar pela dieta flexitariana, como já falei noutro post, pode ser uma abordagem mais suave para iniciar estas práticas. Tentar ter, pelo menos uma refeição à base de plantas por dia ou por alguns dias, é um bom começo. Outras iniciativas são fazer trocas simples, como escolher uma alternativa à base de plantas para o leite e manteiga de origem animal, ou apenas comer produtos de origem animal em feriados ou ocasiões especiais, por exemplo.



Sem comentários:

Enviar um comentário

Instagram