LANDLINE - RAINBOW ROWELL


A fechar a semana do Natal trago-vos o livro, “Landline" da autora Rainbow Rowell cuja história se passa precisamente na época natalícia. Este livro trouxe-me muita nostalgia. Adoro quando livros simples, como este, têm o poder de mexer connosco, forçar-nos a olhar para nós próprios e a auto-analisar a nossa vida. 

Nesta história, a personagem principal tem a oportunidade de conversar com o seu marido actual, na versão do passado, em 1998 ainda como namorado, através de um telefone fixo que existe na casa da mãe. Através deste telefone, ela encontra uma porta de entrada para a pessoa que ele era, para a pessoa que ela costumava ser, e para o que eles se tornaram juntos. Amei o livro e chorei no fim, como sempre. Sou um cliché autêntico, não consigo evitar. Recomendo, muito, para quem gosta do género.
“If you got a second chance at love, would you make the same call?” - Landline, Rainbow Rowell
Isto fez-me pensar ... e se agora, com o meu eu actual, pudesse falar com meu marido de 1999 (quando começámos a namorar). O que eu diria?

Primeiro achei logo que esta era uma ideia loucamente romântica. Lembrei-me como, na altura, éramos despreocupados com a vida e da forma como olhávamos um para o outro. Estávamos apaixonados, e, como todas as boas histórias de amor começam, borboletas e unicórnios convivem em harmonia e tudo é lindo!

De volta ao presente: Estamos casados ​​há quase cinco anos e juntos há praticamente dezoito*. What?! Yep é isso mesmo. Apesar de todas as coisas bonitas que o casamento trás, a verdade é que  nem sempre é fácil e por vezes pode até ser confuso e um pouco complicado. Se ao longo dos anos temos dito algumas coisas que não queremos e feito outras que desejamos não ter feito (mas não muitas), por outro lado, ganhámos grandes lições de vida que surgiram a partir das dificuldades que ultrapassámos. Aprendemos o que é amar alguém, apesar das suas falhas e corrigimos as nossas próprias falhas ao longo do caminho. Hoje sabemos que o amor é mais do que um sentimento. É uma escolha. Todos os dias, é uma escolha.

Juntos, enfrentámos o mais profundo dos medos, lutámos contra alguma tristeza e superámos qualquer raiva. Com os anos, sabemos ao certo o que nos une e aprendemos que temos de trabalhar em nós mesmos, em vez de tentar "consertar" o nosso parceiro. O casamento pode não ser perfeito, mas vale bem a pena o esforço.

Sei com toda a certeza que o homem que está do meu lado hoje, é uma versão muito melhor do rapaz por quem eu me apaixonei há dezoito anos atrás. Eu adoro a forma como apanhamos as piadas um do outro só com um sinal. Amo como nos desafiamos constantemente para sermos pessoas melhores e nos empurramos um ao outro para alcançar os nossos objetivos, apesar dos obstáculos. Este homem, eu sei hoje que é mais forte, mais ousado e mais sábio do que eu sabia em 1999. Ele conhece-me melhor do que ninguém e todos os dias, escolhe continuar a amar-me.

Se voltava a falar com o rapaz de 1999? Talvez não. Acho prefiro ficar com o que tenho agora. Chegar até aqui é resultado de muito trabalho, de ambos, e não faz sentido olhar para trás agora. Para frente é que é caminho, já dizia o outro!
"I love you more than I hate everything else." - Landline, Rainbow Rowell

Quem sabe se este livro (papel ou e-book) não estará no sapatinho de alguém?!
Feliz Natal!



* Em Fevereiro de 2017 a nossa relação atinge a maioridade já que  faz precisamente dezoito anos que começámos a namorar e que ainda namoramos... 

Sem comentários:

Enviar um comentário